domingo, 23 de abril de 2017

Tratado de Methuen e os territórios escondidos no período pós descobrimento.

Resultado de imagem para tratado de methuen
Encobrimentos...
Como é fácil concluir, a política de encobrimentos manteve-se mesmo após as descobertas portuguesas, e até à viagem de Cook. A viagem de Cook que descobre o Território da Austrália a incorporando ao Reino Unido já visitado anteriormente pelos portugueses

Esse "Reino do Sol" poderia ser um Reino Autónomo, formado por "rebeldes portugueses", após 1495 e 1580. Não era reconhecido pelo Ocidente. Enquanto não foi dominado foi ignorado de todos os mapas... seria como um "reino pirata".  Apoio de um Reino do Sol que se estendia da Austrália-oriental até ao Canadá-ocidental, e que incluía o Havai e outras ilhas. 

O Tratado de Paris, após a Guerra dos 7 anos, ditou o fim desse Reino.
Eventualmente esse Reino do Sol terá tido o apoio dos japoneses, no período que se seguiu... mas terá acabado definitivamente no período napoleónico! 
Porquê esta hipótese? Porque isso justificaria a ideia japonesa de querer recuperar esse reino, começando no Havai e indo até à Austrália, na 2ª Guerra Mundial.

Quase contemporânea da Revolução de Independência Americana marcou definitivamente o fim da ocultação de uma parte considerável do mundo nos mapas cartográficos  até então apresentados.
De c. 1600 até 1771, o mundo que era "descoberto", ou melhor, não era "encoberto", não incluía metade da Austrália e Nova Zelândia, Havai, ou ainda a parte norte da América, acima da Califórnia.

O que se passou nessa parte "encoberta", e perfeitamente habitável, durante mais de dois séculos? O que determinou o seu fim, caso tenha havido "fim"?
heatrum Mundi (cópia) - João Lavanha, Luis Teixeira (c. 1597-1612)
Análise do Mapa Theatrum Mundi
O mapa Theatrum Mundi de João Baptista Lavanha é provavelmente um último grito abafado, realizado a pedido de Catarina de Bragança.
Nele encontramos uma distorção provocada por duas rosas-do-vento polares, alguma imprecisão nos contornos dessa parte americana (tal como em África), mas que retrata fielmente os detalhes e contornos na "parte obscura" da América: Alasca e Canadá. Se seguirmos a linha de costa encontramos correspondentes em (quase) todos os casos (p. ex. Baía de Hudson - 1611, Baía de Baffin-1616) , o que não se verifica sempre com o mapa de Ortelius. Também clara é a diferença no contorno da Rússia setentrional. Em Lavanha, já é possível nomear Nova Zembla, descoberta por Barents em 1597, que aí morre.
A realização de tal mapa só seria justificável por uma coincidência muito para além do razoável, e como tal este mapa não faz parte da "colecção oficial", encontrando-se ainda assim na Portugallia Monumenta Cartographica, de 1960.
É actualmente quase desconhecido, pois mais uma vez foi concedida à nova geração o privilégio de se esquecer da anterior.

Até à viagem do "Captain Cook" em 1768-71, a parte ocidental da América do Norte foi-se desvanecendo dos mapas. A Austrália seria pontualmente representada, apenas na sua parte ocidental, após as viagens de Tasman (1642-44). Ver, por exemplo, G. Delisle (c.1700).
Após a restauração de independência, praticamente deixam de se encontrar mapas relevantes, de origem portuguesa. Será um caso de estudo em que uma nação evolui no tempo, mas perde toda a sua capacidade intelectual para as gerações seguintes.

Rei Espanha>> Qual foi a verdadeira razão  que levou Filipe II, a anexar Portugal?
>> E como é que isso lhe foi permitido, sendo ele um estrangeiro, e tendo Portugal,´um Rei Legítimo: Dom António I?  
Felipe II jurou atender às condições dos portugueses e, em abril de 1581, é coroado Felipe I de Portugal.
Havia vários pretendentes portugueses, e não apenas o Prior do Crato. Filipe II era de facto o mais natural, já que o facto de ser estrangeiro pesava pouco... 
Muito mais estranho é D. Sebastião ter recusado sucessivamente casar com a filha de Filipe II (o que teria dado a ligação pela via portuguesa), que lhe chegou a propor as Molucas como dote.

Outra consequência da União Ibérica é que o Tratado de Tordesilhas foi relaxado.
Felipe morreu doente em 1598, quando a Espanha estava no auge de seu poder. Assumiu Felipe III (Felipe II de Portugal) que reinou de 1598 a 1621. O novo monarca negligenciou os compromissos de autonomia da administração de Portugal.
Em 1621, assumiu Felipe IV (Felipe III de Portugal). Sob seu regime, a autonomia de Portugal foi completamente violada. Espanhóis foram nomeados para cargos em Portugal, os impostos foram elevados e o comércio nos domínios ultramarinos portugueses, reduzido. Os holandeses dominavam o Nordeste do Brasil e sua grande indústria açucareira.

Os ataques dos ingleses e franceses ao Brasil foram intensificados. Os holandeses, antes governados pela Espanha, iniciaram suas investidas nos domínios ultramarinos portugueses.
Creio que não... toda essa informação começou a sair no tempo de D. João II, e alguma foi recuperada, na Holanda, França, Inglaterra, pela imigração judaica e depois pela maçonaria.

>> Quando começa a Guerra dos Sete Anos, vamos encontrar levados sabe-se lá por quem, os franceses instalados no Canadá, e os Ingleses na América do Norte.

  • Afonso VI casou-se com uma princesa francesa Dona Maria Francisca de Sabóia e em pouco tempo estalava no palácio uma conspiração contra o rei, e na madrugada do dia 23 de Novembro de 1667 o Marques de Cascais pôs-se a frente de outros conselheiros de estado e intimou-o a confiar o governo a seu irmão, o infante Dom Pedro, porém nem as ameaças, nem as razões o puderam induzir a isto, então todo o conselho de estado fecharam o rei dentro de seu aposento e foi lido um diploma de demissão que Afonso VI foi obrigado a assinar, e após ter estado alguns tempo preso no paço, foi conduzido para a Ilha Terceira dos Açores e após alguns anos ali, mais tarde retornou a Portugal indo morar em um castelo em Cintra onde morreu em 1683. E quanto ao fiel Ministro Castelo-Melhor ele foi exilado e a sua mulher Dona Maria Francisca de Sabóia casou com Dom Pedro e durante a sua regência foi assinado a paz com a Espanha, e Dom Pedro assinou com a Inglaterra o Tratado de Methuen, que fez de Portugal uma espécie de colônia da Grã-Bretanha e no final do seu reinado que durou até 1706 Dom Pedro entrou nas lutas de sucessão ao trono de Espanha quando o Marquês das Minas chegou a entrar em Madri sendo aclamado Carlos III da Áustria
Dom Miguel O Usurpador

Dom Miguel O Usurpador

Na guerra dos 7 anos já Portugal tinha abdicado de se meter em aventuras... o acordo de Methuen é esse! Pedro II enfiou o irmão no calabouço e não se falou mais nisso! Falar, falou, mas só até 1755... Aí foi feita a segunda seleção genética, garantindo que o "medo" e os "caldos de galinha" ficavam inscritos no nosso DNA.

falta deixar que a História se recomponha das sucessivas mentiras... mas isso parece ser mais complicado! Parece haver medo efectivo de que recuperemos a memória...


O reinado de D. João V e o ouro brasileiro <ul><li>Em  1699, chegam ao reino as primeiras remessas de ouro do Brasil. Desd...Reinado de D. Pedro II O Conde da Ericeira implementou uma política mercantilista, levando à criação de algumas manufacturas
O ouro brasileiro <ul><li>As enormes receitas chegavam para cobrir o défice da balança comercial. A moeda cunhada era de g...Em 27 de Dezembro de 1703, o cônsul inglês John Methuen assina um tratado comercial com Portugal: o  tratado de Methuen.
O ouro brasileiro
O Tratado de Methuen <ul><li>Sua Sagrada Majestade Britânica ao sobredito Exmo. Senhor João Methuen; Sua Sagrada Majestade...
O Tratado de Methuen  
Consequências do  Tratado de Methuen (vistas por um inglês) <ul><li>“ Todo o ouro deles, assim como o açúcar e tabacos, sã...Consequências do  Tratado de Methuen <ul><li>Aumento das importações de tecido ingleses prejudicaram a produção de tecidos...
>> E a Inglaterra estende o seu poder da 
América à Índia, e não é difícil perceber como  Segue-se a Revolução Francesa, e a  Independência dos EUA, promovida pela Maçonaria. 

>> Depois da anexação de Portugal, o que acontece é irrelevante, já que passam para as mãos dos Habsburgos castelhanos, os nossos navios, os nossos navegantes e os nossos Mapas.

Falta Napoleão... que compôs o ramalhete!

É que os ingleses só se aventuraram mais na Índia depois do Terremoto de 1755, mais precisamente em 1757. Com os franceses não é muito diferente... Antes disso, as nossas questões territoriais eram mais com os holandeses.

>> Por isso os nomes nos são familiares. O Estreito de Anian, é dos Ainos, porque na Língua dos Konii Um era Onah ou Onai, que passou a Aino, durante as migrações dos Konii, pela Europa.

Precisava da sua confirmação para essa associação Anian - Ainos!


http://alvor-silves.blogspot.com.br/2010/05/theatrum-mundi.html

Nenhum comentário: