sexta-feira, 14 de junho de 2013

A aliança judaico-maçônica

O termo  judaico-maçônica encontrado também  com o nome judaico-Maçonaria é uma teoria da que designa o conluio, uma aliança ou dominação de um sobre o outro, real ou suposta, de círculos relacionada ao judaísmo e a maçonaria avançando para uma dominação na sociedade. 


tradução google se não perfeita o suficiente para o entendimento



História do termo 

A confusão entre estes ambientes dos católicos franceses nos anos seguintes à publicação do livro Agostinho Barruel Memórias para a História do jacobinismo, em 1797, quando ele denunciou uma conspiração maçônica na Revolução Francesa. Alguns anos mais tarde, as lojas maçônicas são abertas para os judeus e dois meios são, então, amalgamado. (amálgama é também a mistura de duas palavras com o objetivo de criar uma nova).Amálgama é facilitada pelo facto de o ritual maçónico usar hébreux 1 palavras. Em 1871, a nacionalidade francesa é dado aos judeus da Argélia após o decreto Cremieux. Ou Adolphe Cremieux é tanto judeu e maçom, sua denúncia é o verdadeiro nascimento da "conspiração judaico-maçônica" 1.

Os defensores da teoria 

século XIX 
Em 20 de agosto de 1806 Augustin Barruel relata ter recebido uma carta de Paris para Florença a partir de um capitão italiano, Jean Baptiste Simonini, (A carta de Simonini para Barruel )
no qual ele expressa sua satisfação providenciou lendo suas Memórias para a história da jacobinismo. No entanto, ele queria evocar um testemunho pessoal, referindo-se a teoria da judaico-maçonaria, o que lhe permite dizer que a Maçonaria está sob a direção do judaísmo. Barruel adiante a carta ao Papa Pio VII, que respondeu por sua secretária, então a Louis XVIII2. Estas cartas foram publicadas pela primeira vez em 1882, em La Civiltà Cattolica3.
Em 1816, Johann Christian Ehrmann publicado anonimamente na Alemanha a teoria da conspiração em um livro e enviá-lo como um aviso para Allemands4 apoiar a tese de uma conspiração judaica maçonnique5 alegando que Frankfurt judeus maçons queriam uma república mundo baseada em o humanisme6.

De acordo com Jacob Katz, que está no livro 1852 de Eduard Emil Eckert Maçonaria em sua verdadeira signification7, as sementes de uma hostilidade comum em relação aos judeus e maçons serão distribuídos para o primeiro views8.

Osman Bey , cujo nome verdadeiro Millinger , também conhecido como o Kibridli-Zade  foi nomeado em seus escritos a Maçonaria como controlado pelo judaísmo, ele foi seguido por Hipólito Lutostansky em sua abordagem  em 18.709 anos.

Em 1893, Dom Leo Meurin alimenta a teoria com um pensamento filosófico e teológico, em seu livro maçonaria Sinagoga Satan10. Ele explica que o prosaico e literal de que os judeus tomar a interpretação narrativa bíblica, eles projetaram a dominar a Terra através da corrupção ideológica. Judeus e maçons usaria como seus capangas, que enviou sua doutrina cabalística e sua aversão à Igreja e a Cristo. Ele estabelece vínculos entre a Kabbalah e o dogma maçônico referindo-se ao livro de Adolphe Franck Kabbalah. Originalmente avançar, a Maçonaria é construído em torno dos restos dos Templários e vingança animado daqueles que afirmam herdeiros.
Revolução Francesa: antes e depois: desenho satírico Caran d'Ache 1898, durante o Caso Dreyfus. Embora o antigo regime não era idílica, a situação tem visto a opressão extra de aparecer como um banqueiro, um pedreiro e um judeu substituindo o único nobre do passado, o cavalo é agora mais magro do que antes.

século XX

Em 1903, Bertrand Isidore defende a tese de uma livre11.
Jean-Baptiste Bidegain folhas de caso de denúncia, em 1905, e denunciou o que ele viu como uma conspiração judaico-maçônica social e ambições parlamentares argumentando que esses dois grupos têm vindo a dizer e communes12 nomeações maçônicas  na Assembleia Nacional no início do século XX, no financiamento na sequência do caso Dreyfus o contexto político, receberam de origem judaica 13.

Em 1908, Paul Copin-Albancelli expressa os interesses do judaísmo na Revolução Francesa, que ele vê como uma conspiração maçônica são óbvias, como a participação maciça da comunidade judaica organizada na Revolução Russa de 190.514. Para ele, essa convergência de interesses pode ser o resultado de uma subordinação de alvenaria ao judaísmo, mas a presença de várias autoridades envolvidas não diz com sûreté15.
Entre 1910 e 1916, as teorias da conspiração deste tipo são transmitidos ao Comité de União e Progresso e sua ação revolucionária dentro do Império Otomano por fontes próximas ao governo britânico, através da correspondência diplomática de Sir Gerard Lowther, o embaixador britânico Constantinopla, e Gilbert Clayton Chefe do Serviço de Inteligência Égypte16 17 18 19.

Nos Protocolos dos Sábios de Sião, uma falsa escrita e popularizada por Mathieu Golovinski e Sergei Nilus, o termo "A invencibilidade da judaico-maçonaria" aparece no primeiro protocolo, a terceira refere-se à "nossa alvenaria socialista", o quarto refere-se à loja maçônica como "uma máscara que esconde o nosso objetivo", o décimo primeiro como uma "cortina de fumaça", em que a comunidade judaica atingiu seu objetivo, mas "apenas por meios indiretos".

Em 1921, Ernest Jouin retoma thème20.
Em 1929, Leon de Poncins também combina duas communautés21.
Em 1935, Joseph Santo denuncia uma conspiração judaico-maçônica na repressão da crise de 6 de Fevereiro 193.422.
Em 1940 e 1950, Domvile Barry é o autor de uma teoria da conspiração sobre uma organização designado pelo termo Judmas uma combinação judaico-maçônico que o levou de uma influência desastrosa sobre mondiale23 história.

Os opositores da teoria 

Gustave Borda foi um dos primeiros historiadores a refutar a existência de uma conspiração judaica maçonnique24.
  • Opposants à la thèseGustave Bord fut un des premiers historiens à réfuter l'existence d'une conspiration judéo-maçonnique24.
A exposição bolchevique era expor uma conspiração judaico-maçônico-comunista (ou bolchevique) em França durante a ocupação alemã. -L'Exposition antibolchevique visait à dénoncer un complot judéo-maçonnique-communiste (oubolchévique) en France sous l'Occupation allemande.

Tese da conspiração judaico-maçônico-comunista

A conspiração judaico-maçônico-comunista é a adição ou síntese de judeo-bolchevismo e da teoria da judaico-maçonaria. Essas teses são principalmente popularizado a partir da Revolução de Outubro de 1917 por russos brancos. Ela também é encontrada na Espanha de Franco. A partir do Verão de 1940, o governo de Vichy demoniza a "aliança monstruosa do comunismo moscovita, o radicalismo maçônica e finanças judaica" que "precipitou uma guerra ideológica na França, depois de ter enfraquecido" 25. Ele também foi o tema da Exposição anti-maçônica de 1941, na Sérvia.
Na literatura

O romance O maçom judeu, o padre Henri Desportes, publicado em 1890, conta a história de uma decisão maçom judeu sobre uma aldeia inteira, ele foi classificado as melhores vendas époque26. O romance O risco maçom e do perigo judaico, publicado em 1895 por Georges Romain, pseudônimo de Georges Kestler26. O tema do judaico-Maçonaria e conspiração mesmos parte da trama do romance de Umberto Eco, O Cemitério Prague27.
Referências

Jacques Lemaire e Alain Goldschläger, conspiração judaico-maçônica, Bruxelas, Edições Trabalhistas e Publishing Espaço de liberdade, "Eu escrevo o seu nome", de 2005. (ISBN 2-8040-1998-5)
José Antonio Ferrer Benimeli El contubernio judaico-masónico-Comunista: del satanismo al Escándalo P-2, Madrid, Istmo, 1982 (ISBN 84-7090-121-4)
Johannes von Rogalla Bieberstein: Der Mythos von der Verschwoerung. Philosophen, Freimaurer, Juden und independente Sozialisten als Verswchwoerer gegen die Sozialordnung. Wiesbaden: Marix 2008, ISBN 978-3-86539-162-9
Johannes von Rogalla Bieberstein "Juedischer bolchevismo". Mythos und Realität. Graz: Ares 2010, ISBN 978-3-902475-75-6
  • Bibliographie Jacques Lemaire et Alain Goldschläger, Le Complot judéo-maçonnique, Bruxelles, Éditions Labor et Éditions Espace de libertés, « J'écris ton nom », 2005. (ISBN 2-8040-1998-5)José Antonio Ferrer Benimeli, El contubernio judeo-masónico-comunista: del satanismo al escándalo de la P-2, Madrid, Istmo, 1982 (ISBN 84-7090-121-4)  Johannes Rogalla von Bieberstein: Der Mythos von der Verschwoerung. Philosophen, Freimaurer, Juden, Liberale und Sozialisten als Verswchwoerer gegen die Sozialordnung. Wiesbaden: Marix 2008, ISBN 978-3-86539-162-9 Johannes Rogalla von Bieberstein: "Juedischer Bolschewismus". Mythos und Realität. Graz: Ares 2010, ISBN 978-3-902475-75-6
Notas e referências 

↑ a b e No. 8, setembro-outubro de 2011, portanto, o chamado "complô" dos judeus e maçons, que buscam dominar o mundo vem?, Por Emmanuel Pierrat, p.36
↑ Aleksander Dmitrievich Netchvolodow, O imperador Nicolau II e os judeus, Stephen Chiron, Paris, 1924, ASIN B001D7RNEA, p.231-236
↑ Nicolas Deschamps, as sociedades secretas e Sociedade, III, p. 661.
↑ (en) Johann Christian Ehrmann, "Das Judenthum in der Maurerey, eine deutsche Warnung um Logen alle" 1816.
↑ (en) Johannes von Rogalla Bieberstein "Die Estes von der freimaurerischen Verschwörung". [Arquivo]
↑ (en) Flensburger Hefte Verlag "Die Rolle der Juden im Rahmen der Verschwörungsthese". [Arquivo]
↑ Eduard Emil Eckert, a Maçonaria em seu verdadeiro significado (Der Orden Freimaurer wahren in seiner Bedeutung), Dresden, 1852 Versão online em Francês [arquivo], traduzido pelo padre Jean Guillaume Gyr
↑ Jacob Katz, judeus e maçons, 1970, p.152
↑ Texto on-line [arquivo] A invenção da tradição sagrada, por James R. Lewis, Olav Hammer, p.79
↑ Leon Meurin maçonaria da sinagoga de Satanás 1893 [arquivo]
↑ Bertrand Isidore, a Maçonaria, nascido seita judaica do Talmude, livro Bloud and Co., 1903 Texto on-line [arquivo]
↑ Jean-Baptiste Bidegain O Grande Oriente da França. Sua Doutrina e Atos, Paris, Librairie semita 1905, p.258
↑ Jean-Baptiste Bidegain op.citée, p.277
↑ Paul Copin-Albancelli, drama maçônico. Poder oculto contra a França, 1908, p.361-362
↑ Paul Copin-Albancelli, drama maçônico. Poder oculto contra a França, 1908, p.299
↑ Alemanha, Turquia e sionismo 1897-1918, Isaías Friedman [arquivo]
↑ A revolução de 1908 na Turquia por Aykut Kansu [arquivo]
↑ britânico política externa sob Sir Edward Grey, por Francis Harry Hinsley [arquivo]
↑ memórias políticas árabes e outros estudos, por Elie Kedourie [arquivo]
↑ Ernest Jouin perigo judaico-maçônico, Revista Internacional das Sociedades Secretas, 1921
↑ Leon de Poncins Maçonaria e Judaísmo, 1929, F. Paillart, a Maçonaria e Judaísmo: Powers segredo por trás da Revolução de texto on-line em Inglês [arquivo]
↑ Joseph Santo, The Judéomaçonnerie e Massacres de 6 de Fevereiro de 1934, 1935, impr. G. Pauc.
↑ Barry Domvile, do almirante ao grumete, P81.
↑ Delbeke F. Magnette, Jornal belga de Filologia e História, Ano 1939, Volume 18, Número 18-1, p. 203-207 [arquivo]
↑ Robert O. Paxton, Vichy France, Paris, Seuil, 1997, p.112
↑ um e cristãos B eo caso Dreyfus por Peter Pierrard, p.30 [arquivo]
↑ Umberto Eco, O Cemitério de Praga, Grasset
  • Notes et références
  • ↑ a et b  n°8, septembre-octobre 2011, D’où vient le prétendu "complot" des Juifs et de francs-maçons, qui viserait la domination du monde?, par Emmanuel Pierrat, p.36
  • ↑ Aleksander Dmitrievich Netchvolodow, L'Empereur Nicolas II et les Juifs, Étienne Chiron, Paris, 1924, ASIN B001D7RNEA, p.231-236
  • ↑ Nicolas Deschamps, Les Sociétés Secrètes et la Société, III, p. 661.
  • ↑ (de) Johann Christian Ehrmann, « Das Judenthum in der Maurerey, eine Warnung an alle deutsche Logen », 1816.
  • ↑ (de) Johannes Rogalla von Bieberstein, « Die These von der freimaurerischen Verschwörung ». [archive]
  • ↑ (de) Flensburger Hefte Verlag, « Die Rolle der Juden im Rahmen der Verschwörungsthese ». [archive]
  • ↑ Eduard Emil Eckert, La franc-maçonnerie dans sa véritable signification (Der Freimaurer Orden in seiner wahren Bedeutung), Dresde, 1852 Version en ligne en français [archive], traduit par l'abbé Jean Guillaume Gyr
  • ↑ Jacob Katz, Jews and Freemasons, 1970, p.152
  • ↑ Texte en ligne [archive] The invention of sacred tradition, par James R. Lewis, Olav Hammer, p.79
  • ↑ Léon Meurin La franc maçonnerie Synagogue de Satan 1893 [archive]
  • ↑ Isidore Bertrand, La Franc-maçonnerie, secte juive née du Talmud, Librairie Bloud et Cie, 1903 Texte en ligne [archive]
  • ↑ Jean-Baptiste Bidegain, Le Grand-Orient de France. Sa Doctrine et ses Actes, Paris, Librairie antisémite, 1905, p.258
  • ↑ Jean-Baptiste Bidegain, op.citée, p.277
  • ↑ Paul Copin-Albancelli, Le drame maçonnique. Le Pouvoir occulte contre la France, 1908, p.361-362
  • ↑ Paul Copin-Albancelli, Le drame maçonnique. Le Pouvoir occulte contre la France, 1908, p.299
  • ↑ Germany, Turkey, and Zionism 1897-1918, Isaiah Friedman [archive]
  • ↑ The revolution of 1908 in Turkey By Aykut Kansu [archive]
  • ↑ British foreign policy under Sir Edward Grey, By Francis Harry Hinsley [archive]
  • ↑ Arabic political memoirs and other studies, By Elie Kédourie [archive]
  • ↑ Ernest Jouin Le péril judéo-maçonnique, Revue Internationale des Sociétés Secrètes, 1921
  • ↑ Léon de Poncins Franc-maçonnerie et judaïsme, 1929, F. Paillart, Freemasonry & Judaism: Secret Powers Behind Revolution Texte en ligne en anglais [archive]
  • ↑ Joseph Santo, La Judéomaçonnerie et les Massacres du 6 février 1934, 1935, impr. G. Pauc.
  • ↑ Barry Domvile, From Admiral to Cabin Boy, p81.
  • ↑ Delbeke, Magnette F., Revue belge de philologie et d'histoire, Année 1939, Volume 18, Numéro 18-1, pp. 203-207 [archive]
  • ↑ Robert O. Paxton, La France de Vichy, Paris, éditions du Seuil, 1997, p.112
  • ↑ a et b Les Chrétiens et l'affaire Dreyfus, par Pierre Pierrard, p.30 [archive]
  • ↑ Umberto Eco, Le Cimetière de Prague, Éditions Grasset
  • Voir aussi
Veja também
Teorias conspiratórias maçônicas  -  Théories du complot maçonnique
Teorias da conspiração judaica  -  Théories du complot juif

Notes et références

Um comentário:

Anônimo disse...

gostaria de pedi uma ajuda ,somos judeus,tenho 60 anos eu e minha esposa,gostaria de pedi uma ajuda de pagar aluguel em israel so por 3 meses,iremos mora em israel,temos dois filhos e dois netos,e uma netinha que ainda nao conhecemos,f 11 32228963 imail sergioteateatrodeboneco@hotmail.com.ficaremos grato pela esta ajudaardoso
sergio c